Fator Humano

Uma Pessoa Mais ou Menos

[Chico Xavier]

A gravura ao lado é de Tarcila do Amaral.

A gente pode morar numa casa mais ou menos, numa rua mais ou menos, numa cidade mais ou menos, e até ter um governo mais ou menos.

A gente pode dormir numa cama mais ou menos, comer um feijão mais ou menos, ter um transporte mais ou menos, e até ser obrigado a acreditar mais ou menos no futuro.

A gente pode olhar em volta e sentir que tudo está mais ou menos…

TUDO BEM!

O que a gente não pode mesmo, nunca, de jeito nenhum…
é amar mais ou menos, sonhar mais ou menos, ser amigo mais ou menos, namorar mais ou menos, ter fé mais ou menos, e acreditar mais ou menos. Senão a gente corre o risco de se tornar uma pessoa mais ou menos.

VÍDEO: Videocast Grupo Conectt especial: Avaliação de Desempenho 360 (grupoconectt)

.

O Fator Humano

”A coragem não é a ausência do medo,
mas a constatação de que há algo
mais importante do que o medo.”
Ambrose Redmoon

O fator humano é o maior, melhor, mais difícil e o único meio de se alcançar resultados, em todos e quaisquer empreendimentos humanos. Toda e qualquer organização é feita por pessoas, e seus objetivos e propósitos destinam-se, principalmente, às pessoas. São, em essência, pessoas trabalhando para pessoas. Para que pessoas trabalhem bem entre si, e obtenham resultados que sirvam às pessoas, é necessário um profundo conhecimento de como se trabalha com pessoas e para pessoas, seus desejos e as suas necessidades. O autor afirma que Não importa onde você vá trabalhar, e o que você fará nesse ou em quaisquer outros trabalhos, o fator humano sempre terá que ser levado em conta.

Fonte: http://www.merkatus.com.br/10_boletim/279.htm

Segundo o portal SHVOONG: Nada em uma organização pode resistir ao mau desempenho do ser humano, e este desempenho é influenciado positiva ou negativamente pelo ambiente físico, local de trabalho, pelo ambiente psicológico clima organizacional, pelos recursos disponíveis para a execução das tarefas máquinas, equipamentos, tecnologia, pela competência e motivação do fator humano e, pela atuação positiva das lideranças chefias.

Competência é o saber fazer, a maturidade profissional, o ótimo nível de capacitação, o somatório dos conhecimentos, habilidades e experiência.

Motivação é o querer fazer, a maturidade psicológica para a tarefa, o desejo, a vontade de cumprir uma responsabilidade. Determinação é saber aonde quer chegar, é ter objetivos, alvos, metas específicas bem definidas. Oportunidade é o projeto, a tarefa, a atividade onde se pode aplicar as competências adquiridas e satisfazer os motivos ou necessidades insatisfeitas.

Fonte: http://pt.shvoong.com/business-management/human-resources/1818071-fator-humano-como-principal-fator/

Como sabemos, nós humanos somos também capazes de ações deploráveis, guiadas pela falta de amor e de responsabilidade, o vídeo a seguir mostra este lado baixo da humanidade:

VÍDEO: Humanidade

.

PCN

Ao lado uma gravura sobre o Criacionismo, representando a evolução, fonte esoterikha.

Sobre diversidade na educação o PCN orienta para que a atenção à diversidade deve se concretizar em medidas que levem em conta não só as capacidades intelectuais e os conhecimentos de que o aluno dispõe, mas também seus interesses e motivações… A escola, ao considerar a diversidade, tem como valor máximo o respeito às diferenças — não o elogio à desigualdade. As diferenças não são obstáculos para o cumprimento da ação educativa; podem e devem, portanto, ser fator de enriquecimento.

O PCN de Educação Física orienta para que particularmente no que diz respeito às diferenças entre as competências de meninos e meninas deve-se ter um cuidado especial. Muitas dessas diferenças são determinadas social e culturalmente e decorrem, para além das vivências anteriores de cada aluno, de preconceitos e comportamentos estereotipados.”

Segundo este PCN, “É utópico pretender que todos os avanços de aprendizagem sejam homogêneos e simultâneos entre os alunos, uma vez que a diversidade traduz uma realidade de histórias de vivências corporais, interesses, oportunidades de aprimoramento fora da escola e o convívio em ambientes físicos diferenciados.”

Falando sobre as capacidades do indivíduo na educação, o PCN, faz as seguintes considerações: A capacidade cognitiva tem grande influência na postura do indivíduo em relação às metas que quer atingir nas mais diversas situações da vida, vinculando-se diretamente ao uso de formas de representação e de comunicação, envolvendo a resolução de problemas, de maneira consciente ou não. A aquisição progressiva de códigos de representação e a possibilidade de operar com eles interfere diretamente na aprendizagem da língua, da matemática, da representação espacial, temporal e gráfica e na leitura de imagens. A capacidade física engloba o autoconhecimento e o uso do corpo na expressão de emoções, na superação de estereotipias de movimentos, nos jogos, no deslocamento com segurança. A afetiva refere-se às motivações, à auto-estima, à sensibilidade e à adequação de atitudes no convívio social, estando vinculada à valorização do resultado dos trabalhos produzidos e das atividades realizadas. Esses fatores levam o aluno a compreender a si mesmo e aos outros.

A capacidade afetiva está estreitamente ligada à capacidade de relação interpessoal, que envolve compreender, conviver e produzir com os outros, percebendo distinções entre as pessoas, contrastes de temperamento, de intenções e de estados de ânimo. O desenvolvimento da inter-relação permite ao aluno se colocar do ponto de vista do outro e a refletir sobre seus próprios pensamentos.

No trabalho escolar o desenvolvimento dessa capacidade é propiciado pela realização de trabalhos em grupo, por práticas de cooperação que incorporam formas participativas e possibilitam a tomada de posição em conjunto com os outros. A capacidade estética permite produzir arte e apreciar as diferentes produções artísticas produzidas em diferentes culturas e em diferentes momentos históricos. A capacidade ética é a possibilidade de reger as próprias ações e tomadas de decisão por um sistema de princípios segundo o qual se analisam, nas diferentes situações da vida, os valores e opções que envolvem. A construção interna, pessoal, de princípios considerados válidos para si e para os demais implica considerar-se um sujeito em meio a outros sujeitos. O desenvolvimento dessa capacidade permite considerar e buscar compreender razões, nuanças, condicionantes, conseqüências e intenções, isto é, permite a superação da rigidez moral, no julgamento e na atuação pessoal, na relação interpessoal e na compreensão das relações sociais.

.

Pré História – Existência – Fator Humano – Razão – Emoções – Arte– Relações Humanas

www.pedagovix.wordpress.com


Deixe seu comentário sobre o fator humano

Uma resposta a Fator Humano

  1. Pingback: Gente | Pedagovix

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s